26 de maio de 2016

O vazio que me Preenche

Ouça Julia Sheer - You Will Never Be enquanto lê.


Me sinto novamente excluída, sendo julgada sem motivos. Queria que não me deixassem sem escolhas. Quero viver, mas parece impossível viver um dia sem me sentir um lixo, se soubessem como me sinto, desejariam voltar ao tempo. Julgam-me, mas são eles que tem que mudar, são tão imaturos. Meu peito mais uma vez está doendo. A ferida da minha alma abriu. Sensível sou, não tenho coração de pedra. O vento bate e leva meus sonhos. Me sinto sufocada mais uma vez! Queria, realmente queria fazer as coisas certas, não errar, não fazer as coisas que gosto... Queria fazer tantas coisas só para me sentir bem deixando as pessoas felizes. Dói ver a face deles quando faço algo errado. 

Escorrego atrás da porta do banheiro até encostar no piso gelado.  Abraço minhas pernas encolhendo-as e coloco meu queixo no joelho. Deixo a dor sair, as lágrimas correrem livremente com toda liberdade pelo meu rosto. Me sinto pequena e inútil. Talvez eu até mereça sofrer tudo isso. Não devo ficar tentando ver essa situação como uma injustiça mas sim como resposta de como eu realmente deveria ser. Não é a primeira vez e nem a segunda, mas ainda não me acostumei com a dor e aflição que me invade. É como se eu tivesse uma vida já planejada, ou um livro no qual tenho que seguir tudo que está escrito. Ninguém me conhece, não sabem meus costumes, minhas manias nem minhas qualidades. Não sabem como é receber todos os gritos e insultos. É mais fácil achar que não tenho nada a ver com o que me culpam, só falta me dizerem que não devia ter nascido.
Em meio a doses de dor fico embriagada rapidamente. O vazio reina em meu peito me sentindo só e pequena, minhas mãos ficam inquietas com desespero. Não consigo parar de chorar. Lembro que tenho que viver, de algum modo, mas tenho. Não posso evitar me esbarrar em estranhos, nem planejar o caminho que caminhar. Tenho que seguir em frente, levantando a cabeça novamente sem demonstrar derrota, por que é assim que me sinto por dentro "Derrotada", sem vida. O bom é que ainda tenho esperanças, compaixão e forças para continuar lutando.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Veja Também...